Marcha Suspensa

Marcha Suspensa

Aplicada há cerca de 20 anos na reabilitação de pacientes que foram diagnosticados com doenças neurológicas, a Marcha Suspensa (MS), como também é chamado o Suporte Parcial de Peso Corporal, é uma técnica empregada para promover o desenvolvimento cardiovascular, osteomuscular e psicológico do indivíduo tratado, a fim de melhorar sua qualidade de vida.

Condição que danifica a área responsável pelo bom funcionamento do sistema nervoso central do ser humano, região onde abrigam-se informações da audição, visão, olfato, paladar e tato dos seres humanos, a lesão medular espinhal é uma das doenças que pode ser tratada pela Marcha Suspensa.

Embora pacientes que foram diagnosticados com doenças neurológicas como Acidente Vascular Encefálico, Traumatismo Crânio Encefálico, Paralisia Cerebral, Síndrome de Down e Mielomeningocele, por exemplo, possam ser tratados pela Marcha Suspensa, indivíduos com doenças ortopédicas também podem usufruir desta mesma técnica, principalmente para tratar o joelho após uma operação.

Neste procedimento, o paciente coloca um colete especial e é elevado por um aparelho que visa reduzir a força gravitacional sobre seu corpo, aliviando o peso corporal em 15 a 70%, número que é definido pelo médico responsável.

Em cima de uma esteira, o paciente então movimenta-se através de passadas contínuas para estimular a área do cérebro que atua no aperfeiçoamento da movimentação, atuando também na melhora biomecânica dos membros inferiores, como pés e joelhos. Com o decorrer do tratamento, o médico pode aumentar o peso de forma gradativa, a fim de dar ao indivíduo mais autonomia na sua movimentação.

A capacidade aeróbica do indivíduo também é beneficiada no tratamento através da Marcha Suspensa, reduzindo assim as ameaças de doenças cardiovasculares e melhorando a autoestima do paciente tratado.

De forma resumida, a Marcha Suspensa é utilizada como um tratamento para ampliar a movimentação, promover o equilíbrio, fortalecer a musculatura, reduzir a pressão arterial e melhorar o condicionamento físico do paciente.

Dra Mariana Cauchioli CREFITO/3:91154-F